Estados

  • Contato:
    (73) 99936-1132
    Luscivanio Lopes
  • Contato:
    (27) 99914-9706
    André Oliveira

Portal SBN | Sistema Brasileiro de Notícias Portal SBN | Sistema Brasileiro de Notícias

Justiça nega liberdade a acusado de roubar carro de Renato Casagrande

Justiça nega liberdade a acusado de roubar carro de Renato Casagrande
06 dezembro 21:06 2018 Imprimir notícia
Justiça

O desembargador Adalto Dias Tristão, do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, indeferiu o pedido de liminar em Habeas Corpus impetrado em favor de V.A.G., investigado por suposta participação no roubo ao veículo pertencente ao governador eleito Renato Casagrande.

No HC, a defesa alega que V. não teve nenhuma participação no crime, tendo em vista que no momento do ocorrido estava em sua casa dormindo. Contudo, o desembargador plantonista destacou que o habeas corpus não é o meio adequado para se discutir autoria de delito, tendo em vista a necessidade de que o julgador se aprofunde nos elementos probatórios.

O desembargador registrou, ainda, em seu voto, que em depoimento, um policial civil informou que o acusado teria sido reconhecido, na delegacia de polícia, pelo motorista do futuro governador, em cuja casa se encontrava o veículo. O policial civil também informa que o motorista teria sido violentamente agredido e, inclusive, foi amarrado, junto com a esposa, pelos assaltantes.

“Portanto, há indícios de que o fato teria sido de extrema gravidade”, destacou o magistrado, salientando, ainda, que o caso nem deveria ser do Plantão Judicial, eis que a prisão do paciente ocorreu no sábado dia 01/12/2018. “Portanto o presente remédio constitucional apresentado durante o plantão judiciário na data de hoje, 04/12/2018, não se enquadra nos requisitos necessários para ser analisado de acordo com a referida resolução”, destacou.

Segundo o Desembargador Adalto, “a despeito dos argumentos expendidos na inicial, não vislumbro presentes os pressupostos indispensáveis a concessão da liminar pleiteada, quais sejam, o fumus boni iuris e o periculum in mora, razão pela qual, pelo menos por ora, INDEFIRO O PEDIDO DE LIMINAR.”, concluiu o magistrado.

PORTAL SBN | COM INFORMAÇÕES DO TRIBUNA ONLINE

Compartilhe esse post

Deixe seu comentário

VOCÊ CONCORDA COM O USO DE DINHEIRO PÚBLICO NA PROGRAMAÇÃO DE VERÃO E CARNAVAL EM SÃO MATEUS?

Não

Sim

Ver resultados