Estados

  • Contato:
    (73) 99936-1132
    Luscivanio Lopes
  • Contato:
    (27) 99798-9398
    Luscivanio Lopes

Portal SBN | Sistema Brasileiro de Notícias Portal SBN | Sistema Brasileiro de Notícias

É considerada misteriosa uma bactéria encontrada em creche

É considerada misteriosa uma bactéria encontrada em creche
10 maio 09:05 2019 Imprimir notícia
Espírito Santo

A superbactéria que provocou um surto de infecção em alunos, funcionários, e alguns de seus familiares na creche Praia Baby, na Praia da Costa, Vila Velha, ainda é um mistério. A Escherichia coli EHEC/STEC tem um novo e desconhecido sorotipo até o momento. A informação é do coordenador do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado (Lacen/ES), Rodrigo Ribeiro Rodrigues.

Apesar de o sorotipo da bactéria encontrada em amostras de infectados no surto ser desconhecido, Rodrigo esclareceu que não se pode afirmar que o micro-organismo é inédito. Para isso, é preciso esgotar todas as formas de pesquisa.

“As investigações continuam e dentro de um mês a gente deve descobrir se de fato é uma bactéria já descoberta em outros locais – Brasil e mundo – ou não. Só teremos certeza após esgotarmos todas as possibilidades de identificação”, afirmou. No final da tarde da última terça feira (07), houve uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales) para que o Lacen divulgasse os resultados das análises das amostras.

“Foram encontrados dois agentes etiológicos (causadores da doença) das infecções: a bactéria Escherichia coli EHEC/STEC e o norovírus. O norovírus é altamente tóxico, diferente do rotavírus. Ele foi identificado na Fiocruz no Rio de Janeiro”. É um surto dentro de outro surto, disse.

A bactéria tem a especificação EHEC, por ser entero-hemorrágica, e STEC, por produzir toxinas altamente agressivas (shiga). Rodrigues disse que os últimos dois casos de surto com maior relevância provocados por bactéria entero-hemorrágica ocorreram na Alemanha e nos Estados Unidos. E, no Brasil, é a primeira vez que o caso acontece. “A bactéria não é nem a do surto na Alemanha e nem a dos Estados Unidos, de acordo com os testes”.

O coordenador do Lacen afirmou que as infecções em crianças foi uma fatalidade. “Foi uma fatalidade ter acontecido justo numa creche, com crianças. São micro-organismos extremamente agressivos, mas talvez não causassem morte em adultos”, avaliou.

O menino Théo Cypriano, 2 anos, morreu em 27 de março, vítima da infecção. Théo era aluno da creche e faleceu após ser contaminado com a bactéria.

O laudo divulgado pelo Lacen atestou o agente infeccioso, o local onde aconteceu a transmissão, a população atingida e a necessidade de interromper as atividades na escola para quebrar a cadeia de contaminação. A origem das infecções, no entanto, é misteriosa. O Lacen estima que em 60 dias saia o resultado da pesquisa que vai revelar de onde surgiram os agentes etiológicos.

Suspensão de aulas foi crucial, diz escola

Polícia Civil foi à creche em Vila Velha para realizar uma nova perícia. Objetivo é complementar as que já foram realizadas no local na última terça-feira (Foto: Kadidja Fernandes/AT)Polícia Civil foi à creche em Vila Velha para realizar uma nova perícia. Objetivo é complementar as que já foram realizadas no local na última terça-feira (Foto: Kadidja Fernandes/AT) A suspensão das atividades da creche Praia Baby, na Praia da Costa, Vila Velha, foi crucial para encerrar o processo de contaminação entre alunos e funcionários, segundo a creche. O coordenador do Lacen, Rodrigo Rodrigues, disse que, uma vez identificada a forma de transmissão dos agentes, o procedimento é isolar o local e os infectados.
“A transmissão foi interna, por meio de vômito e fezes. O isolamento fez com que o surto não se estendesse a outros locais”, disse. A assessoria da escola falou sobre o laudo divulgado pelo Lacen.

“A decisão da diretoria da creche de suspender voluntariamente as aulas no dia 27 de março foi crucial para evitar que a contaminação atingisse número maior de crianças – a Prefeitura de Vila Velha somente determinou que o estabelecimento suspendesse suas atividades no dia 1º de abril”, afirmou.

Segundo o secretário municipal de saúde de Vila Velha, Jarbas Assis, o município iniciou as ações, junto com os governos estadual e federal, assim que foi notificado. “Essas ações eliminaram a contaminação e evitaram que o surto se espalhasse em todo o Estado”.

PORTAL SBN | COM NFORMAÇÕES DE TRIBUNA ONLINE

 

Deixe seu comentário