Estados

  • Contato:
    (73) 99936-1132
    Luscivanio Lopes
  • Contato:
    (27) 99798-9398
    Luscivanio Lopes

Portal SBN | Sistema Brasileiro de Notícias Portal SBN | Sistema Brasileiro de Notícias

Adolescente de 14 anos que fugiu de casa recebeu ajuda de um homem, diz mãe

Adolescente de 14 anos que fugiu de casa recebeu ajuda de um homem, diz mãe
21 julho 19:40 2019 Imprimir notícia
Espírito Santo

Aline Potasio, mãe da adolescente que desapareceu após ser vista entrando em um táxi, na última quarta-feira (17), em Cariacica, afirmou no neste sábado (20), que um homem teria ajudado Alice na fuga. O caso aconteceu por volta das 19h na quarta-feira (17), no bairro Vista Linda.

Tudo aconteceu três minutos depois da menina sair da casa da tia, onde mora, dizendo que iria até a casa da mãe. Cerca de três minutos depois de sair de casa, a tia de Alice recebeu um telefonema de um taxista. Ele entrou em contato dizendo que estava em frente à residência para iniciar a corrida. Após a ligação, a tia saiu de casa e viu Alice entrando no carro.

De acordo com a mãe da adolescente, Alice não apresentava motivos para fugir de casa, "Na semana passada foi aniversário dela e a gente saiu, levamos ela no shopping, compramos presentes e em momento algum ela demostrou atitide suspeita", ressalta Aline

A mãe ainda conversou com alguns colegas da escola de Aline. Segundo ela, a adolescente já vinha falando que em sair de casa.

“O convívio dentro de casa, comigo, era conturbado porque ela queria fazer algumas coisas e eu não deixava. Infelizmente, ela só tem quatorze anos e eu ainda zelo por ela, ainda decido o que ela pode ou não pode, o normal de toda mãe. Só que ela não aceitava isso, infelizmente, achava ruim, brigava”, disse a mãe, que comentou sobre a ação da filha.

“Sozinha ele não fez, ela entrou dentro de um táxi e não tinha dinheiro, mas o taxista informou que chegando no local de desembarque, um rapaz pagou a corrida. Ela não tinha namorado, pelo menos ela nunca apresentou ninguém”, comentou.

Ainda de acordo com Aline, o sumiço da filha é uma "tristeza extrema". "A gente nunca esperava que ela pudesse fazer isso. Ela tem uma irmã de cinco anos que é muito apegada a ela, e chora o tempo todo chamando a irmã e perguntando onde ela está”, contou.

PORTAL SBN | COM INFORMAÇOES TRIBUNA ONLINE

Deixe seu comentário